???item.export.label??? ???item.export.type.endnote??? ???item.export.type.bibtex???

Please use this identifier to cite or link to this item: http://tede.biblioteca.ufpb.br:8080/handle/tede/8349
???metadata.dc.type???: Dissertação
Title: Subjetividade, liberdade e existência: aproximações e distanciamentos entre Sartre e Rogers
???metadata.dc.creator???: Cruz, Bruno Alves de Araújo 
???metadata.dc.contributor.advisor1???: Caminha, Iraquitan de Oliveira
???metadata.dc.description.resumo???: Esse trabalho retoma o diálogo do século XIX entre filosofia e psicologia, quando esta última pretendeu alcançar estatuto de cientificidade e definiu seu objeto de estudo, a subjetividade. Tal retorno se deve ao fato dessa nova ciência, buscando seu lugar dentre as outras, se afastar de seu objeto inicial a fim de se adequar aos métodos das ciências positivas, que acabou conduzindo-a ao objetivismo comportamentalista. Também se deve ao fato de que a filosofia não abandonou a tarefa de compreender a subjetividade, sobretudo a tradição fenomenológica. Além disso, se justifica por verificar que a psicologia, desenvolvida na clínica, não abandona a compreensão da subjetividade, uma vez que a considera como elemento fundamental da relação do ser humano com o mundo. Ao retomar o diálogo entre filosofia e psicologia, pretende-se trazer para a psicologia a possibilidade de compreender aquilo que tinha sido seu objeto inicial. Para realizar esse diálogo, optou-se por utilizar os trabalhos desenvolvidos pelo filósofo Jean-Paul Sartre e pelo psicoterapeuta Carl R. Rogers, com o objetivo de apontar entre esses dois pensadores as aproximações e distanciamentos no tratamento dos conceitos de subjetividade, liberdade e existência. Ao tomar os trabalhos de Sartre, verificou-se que a subjetividade possui como essência a liberdade, que consiste na nadificação por meio da qual pode abrir uma fissura em seu interior, inserindo o nada em seu ser, possibilitando fundamentar-se a si mesma a partir das escolhas que realiza em sua existência. Com isso, Sartre assinala a indeterminação que consiste a relação da subjetividade com seu ser e com o mundo, uma vez que “a existência precede a essência”. Em Rogers, verificou-se que a subjetividade é fundamental para a tendência orgânica à realização, uma vez que a liberdade que a constitui permite escolher diversos maneiras de satisfazer suas necessidades e assim realizar todas as possibilidades organísmicas.
Abstract: This work reflects the dialogue’s century XIX between philosophy and psychology, when the latter sought to achieve scientific status, and defined its object of study. This return is due to the fact that new science, seeking its place among the other, stay away from their original object in order to adapt the methods of positive science, which eventually led to the objectivism behavior. Also due to the fact that the philosophy does not leave the task of understanding the subjectivity, especially the phenomenological tradition. Moreover, it is justified to see that the psychology, developed in the clinic, does not leave the understanding of subjectivity, since it considers as a fundamental element of the human relationship with the world. To resume the dialogue between philosophy and psychology, seeks to bring to psychology the opportunity to understand what had been its original object. To achieve this dialogue, we chose to use the work of the philosopher Jean-Paul Sartre and the psychotherapist Carl R. Rogers, with the objective of pointing between the two thinkers and distances the approximations in the treatment of the concepts of subjectivity, freedom and existence. In making the works of Sartre, it was found that the subjectivity and spirit has the freedom, which is the annihilation through which you can open a crack in its interior, including the not in his being, enabling it to support itself from the choices you make to your life. Therefore, Sartre points to the indeterminacy that is the relation of subjectivity to their being and the world, since "the existence precedes essence." In Rogers, it was found that subjectivity is fundamental to achieving the organic trend, as is the freedom that allows you to choose various ways to meet their needs and thus realize all possible organic.
Keywords: Subjetividade
Subjetivity
Liberdade
Existência
Sartre
Rogers
Freedom
Existence
???metadata.dc.subject.cnpq???: CIENCIAS HUMANAS::FILOSOFIA
Language: por
???metadata.dc.publisher.country???: Brasil
Publisher: Universidade Federal da Paraíba
???metadata.dc.publisher.initials???: UFPB
???metadata.dc.publisher.department???: Filosofia
???metadata.dc.publisher.program???: Programa de Pós-Graduação em Filosofia
Citation: CRUZ, Bruno Alves de Araújo. Subjetividade, liberdade e existência: aproximações e distanciamentos entre Sartre e Rogers. 2009. 131 f. Dissertação (Mestrado em Filosofia) - Universidade Federal da Paraíba, João Pessoa, 2009.
???metadata.dc.rights???: Acesso Aberto
URI: http://tede.biblioteca.ufpb.br:8080/handle/tede/8349
Issue Date: 17-Aug-2009
Appears in Collections:Programa de Pós-Graduação em Filosofia

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
arquivo total.pdf1.24 MBAdobe PDFDownload/Open Preview


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.